segunda-feira, 26 de maio de 2014

A minha primeira experiência de corrida


Quem me lê há mais tempo já sabe da minha intenção de começar a correr. Intenção essa que, para dizer a verdade, ainda não tinha passado do patamar das caminhadas mais ou menos energéticas à beira rio, mas isso agora não interessa nada. Ou se calhar até interessa.

Eis que, no fim-de-semana passado, lá combinei mais uma caminhada ao fim da tarde com a amiga do costume - e à última hora se juntou mais uma amiga, que anda nisto há mais tempo que nós.

Encontrámo-nos no café habitual, fomos para a beira rio e lá andámos mais de uma hora, sempre na conversa; até que chegámos a um sítio sem saída e a minha amiga mais experiente disse “quando chego aqui costumo correr um bocadinho, ‘bora lá?!”.

Quando ouvi a palavra “correr” o meu coração até saltou. “É agora”, pensei eu. E devo ter feito uma cara de tal forma assustada que ela acrescentou “hoje corremos só até ao Padrão dos Descobrimentos e depois vamos aumentando a distância, o que vos parece?” Olhei em frente, vi o Padrão dos Descobrimentos mesmo ali à frente e pensei “isto vai ser canja, até podia correr BEM mais!”. E lá comecei a correr atrás delas, de sorriso estampado no rosto e ar confiante - estado que durou uns cinquenta metros, na melhor das hipóteses.

Passado um minuto comecei a sentir-me exausta, passados dois comecei a ver a minha vida a andar para trás e ao fim de três minutos já não podia com uma gata pelo rabo. Doíam-me imenso as pernas, tinha a respiração completamente descontrolada e parecia que o coração me ia saltar pela boca. E comecei a ficar para trás. Cada vez mais para trás. E o Padrão dos Descobrimentos, que me parecia estar cada vez mais longe. Até que avistei uma ambulância do INEM e, já completamente roxa (qual Nuno Markl n’O Homem que Mordeu o Cão), balbuciei “meninas, acho que eles me vêm buscar.”

Elas pararam, olharam para trás e devem-se ter deparado com um quadro de tal forma patético que disseram que talvez fosse melhor retomarmos na semana que vem. Fizemos o resto do percurso a pé e quando cheguei a casa vi-me ao espelho: parecia um gremlin.

Resumindo e baralhando: vou-me inscrever numa aula de hidroginástica para a terceira idade. Já não tenho idade para isto.


7 comentários:

Miss Christie disse...

Oh Mary! Eu sei que tu consegues! Não desanimes! Go! Go! Não desistas!

FME disse...

Loool :) olha eu também comecei a correr à pouco tempo. Já dava caminhadas longas à muito tempo mas há cerca de mês e meio comecei a aventurar-me na corrida. Comecei com percursos de 50 metros a correr e por aí a fora e hoje já aguento 2km! E tenciono aumentar ainda mais eheh

Alexandra A. disse...

Ahahah Faço praticamente qualquer tipo de exercício, mas correr... ai correr... também fico assim. Mas há de melhorar. Só pode melhorar. ;)

Keep running :)

glitter | fb

Alexandra A. disse...

Ahahah Faço praticamente qualquer tipo de exercício, mas correr... ai correr... também fico assim. Mas há de melhorar. Só pode melhorar. ;)

Keep running :)

glitter | fb

L. das horas disse...

Ahhh bela imagem e descrição! Pareces eu no início... é dificil começar...mas vai-se lá.

Diana Santos disse...

Ador a imagem. Descreve na perfeição o que sentia no inicio antes de começar a correr! O dificil é comecar porque depois quando se ganha o gosto nao dá para parar!

http://fromportugaltonyc.blogspot.com/

Mary disse...

Mas vocês querem dizer que isto é NORMAL e que um dia poderei vir a correr mais de 500 metros?! A sério?!