sexta-feira, 8 de março de 2013

Sobre o Dia da Mulher


Ao contrário das pessoas em geral e das mulheres em particular, sinto uma enorme vergonha do Dia da Mulher. Porque, se este dia existe, é porque existem muitas mulheres que ainda precisam, nem que seja uma vez por ano, que alguém se lembre delas. Da maneira como são  negligenciadas, (mal)tratadas e/ou vistas de forma grosseiramente desigual. E isso é muito, muito triste.

Pela minha parte, tenho esperança de que, no futuro, este dia deixe de fazer sentido - como nunca o fez o Dia do Homem -, mas a verdade é que tudo aponta para que esse dia ainda venha longe. E é por tudo isto que nunca me viram nem nunca me verão a publicar ramos de flores cor-de-rosa no Facebook; ou a pedir "um miminho" ao meu marido. Porque, pelo menos para mim, este é um assunto demasiado sério para ser tratado com esse tipo de leviandade feminista.

Ainda assim (e agora citando uma amiga minha), porque mais ninguém tem a capacidade que as mulheres têm de se de se reinventar, sobreviver, dar vida, criar beleza, inovar, matar, alimentar, transformar, animar, sorrir, sofrer e ser o centro de tudo, mesmo quando estão na sombra... vivam as mulheres.

2 comentários:

L. disse...

Partilho deste teu sentimento. Mas hoje recebi uma mensagem que me soube muito bem ler ;)

Pi disse...

Vejo este dia como uma forma de celebrarmos as lutas que já vencemos e relembrarmos as lutas que ainda temos pela frente.
Não podemos mudar o passado, por isso bem que podemos ter orgulho nas nossas conquistas e este dia é uma boa altura para as relembrar.
Por outro lado, ainda há muitas mudanças necessárias e é de facto uma vergonha ainda falarmos de violência doméstica, tráfico e exploração sexual de mulheres, mas é uma realidade e, infelizmente, é uma realidade que cai muitas vezes no esquecimento, por isso que este dia sirva para reforçar e relembrar o caminho que ainda temos que percorrer.