sexta-feira, 10 de junho de 2011

Wake Up Call(ed)


As pessoas em geral e os portugueses em particular têm o (péssimo) hábito de se queixarem: que está frio, que está calor, que há crise, que estão fartos do emprego, que o dinheiro não chega para nada, que os filhos não lhes dão um minuto de descanso e por aí fora. A lista é interminável, o hábito visível e eu não sou excepção.

Até que, de tempos em tempos, somos confrontados com verdadeiras wake up calls, as quais têm o condão de nos pôrem no lugar e nos reduzirem à nossa insignificância. Foi o caso do Extreme Makeover Home Edition de ontem à noite, dedicado a uma família do Texas com seis filhos, cinco dos quais com diferentes tipos de autismo. Os pais, com doses iguais de amor e de cansaço estampadas no rosto, dividiam a cama com três dos filhos e o Pai tinha dois empregos para permitir à Mãe ficar em casa e tomar conta da família. Fazia 20 máquinas de roupa por semana, vigiava os filhos constantemente (uns tendiam a fugir de casa, outros a partir coisas) e para isso contava apenas com a ajuda da única filha que não era autista, mas que ainda assim era demasiado jovem para carregar tamanho peso nos ombros.

E como se tudo isto não bastasse, estavam falidos, tinham a casa penhorada e o banco preparava-se para despejá-los, facto que conduziria, inevitavelmente, à separação da família por uma série de instituições.  Este caso teve, felizmente, um final feliz (dentro do possível, como é evidente), mas... e os muitos outros que existem por aí?

De facto, devíamos pensar um pouco antes de nos queixarmos. E, na maior parte das vezes, ter vergonha na cara. Muita.

2 comentários:

Clëo disse...

A única vez que consegui apanhar o programa era sobre uma família cujo pai tinha morrido na véspera de natal devido a uma alergia ao bolor da casa onde moravam e que tinham comprado recentemente. Era a primeira casa da família. Uma família com 5 filhos. Super unida. Desde a morte do pai que moravam todos com uma tia (irmã da mãe). A casa tinha só 2 quarto, 1 sala e a cozinha. Era suposto remodelarem-na todos juntos, em família. Mas esse desejo foi cortado com a morte do pai e pelo medo de também as crianças serem afectadas pela alergia.

Eu pensei, porra, queixa-mo-nos nós do sofá velho, das paredes que não estão da cor que gostamos... Há coisas tão mais importantes!
Se há programa que eu traria para cá era este. Porque o mais parecido que nós temos chegou ao ponto da futilidade. Já não decide pela ajuda, mas sim pelo que os decoradores podem mostrar que fazem!... Enfim, estamos em Portugal!

susana disse...

Eu vi esse episódio, e acompanho todos os desse programa. E só posso dizer uma coisa: existe muita gente neste mundo que precisa urgentemente de ver cada episódio para parar simplesmente de se queixar do que tem. É que há outras pessoas que muito menos têm e ainda agradecem. A mim, isso só me faz assentar os pés na terra e ser uma pessoa melhor, que agradece e dá valor ao que tem. E por isso agradeço a esse programa pelo que tem feito por mim :)