quinta-feira, 17 de julho de 2008

A Importância de Chegar a Casa

Há dias recebi um e-mail em que se relatava a participação de Mário Cordeiro numa conferência organizada pelo Departamento de Assuntos Sociais e Culturais da Câmara Municipal de Oeiras, na qual o pediatra defendeu que muitas birras (e até problemas mais graves) poderiam ser evitadas se os pais conseguissem largar tudo quando chegam a casa para se dedicarem inteiramente aos seus filhos durante dez minutos:

"Ao fim do dia os filhos têm tantas saudades dos pais e têm uma expectativa tão grande em relação ao momento da sua chegada a casa que bastava chegar, largar a pasta e o telemóvel e ficar exclusivamente disponível para eles, para os saciar. Passados dez minutos eles próprios deixam os pais naturalmente e voltam para as suas brincadeiras."

Estes dez minutos de atenção exclusiva servem para os tranquilizar, para eles sentirem que os pais também morrem de saudades deles e que são uma prioridade absoluta na sua vida. Claro que os dez minutos podem ser estendidos ou até encurtados conforme as circunstância do momento ou de cada dia. A ideia é que haja um tempo suficiente e de grande qualidade para estar com os filhos e dedicar-lhes toda a atenção.

Por incrível que pareça, esta atitude de largar tudo e desligar o telemóvel tem efeitos imediatos e facilmente verificáveis no dia-a-dia.

Todos os pais sabem por experiência própria que o cansaço do fim de dia, os nervos e stress acumulados e ainda a falta de atenção ou disponibilidade para estar com os filhos, dá origem a uma espiral negativa de sentimentos, impaciências e birras.

Por outras palavras, uma criança que espera pelos pais o dia inteiro e, quando os vê chegar, não os sente disponíveis para ela, acaba fatalmente por chamar a sua atenção da pior forma. Por tudo isto e pelo que fica dito no início sobre a importância fundamental que os pais-homem têm no desenvolvimento dos seus filhos, é bom não perder de vista os timings e perceber que está nas nossas mãos fazer o tempo correr a nosso favor.

in Boletim de Julho da Acreditar

7 comentários:

Docinho disse...

Enviaste-me este mail... li, reli e percebi tanta coisa... podes não acreditar... mas chego a casa e lembro-me disso muitas vezes!
Lá vou eu para o chão fazer "xógos" ;o)

Beijo de uma mãe

Alexia disse...

Acho que ele está coberto de razão muitas vezes as birras são causadas pela falta de atenção que os pais têm pelos filhos, lá por casa a hora da chegada o jantar e alguma parte do serão é dedicado à familia e ao lazer em conjunto :)

e os fim de semana apesar de movimentos têm sempre mimos à mistura :)

beijocas sem birras mas com muita adrenalina

Docinho disse...

Vai lá a casa ;o)

beijo cucu

Mary disse...

Já fui! Weeeeeeeeeeeeeeeeeee...!

Docinho disse...

;o)
sabia que ias gostar!

Beijo weeeeeeeeeeeeeeeee

Cookie disse...

Simples e lógico... uma teoria mesmo como eu gosto. Resta testar a eficácia, a começar já amanhã. Porque faz realmente sentido...

Beijo
M.

Mary disse...

Pois é, faz mesmo todo o sentido. Quando li este texto, lembrei-me imediatamente de quando era pequena - e da alegria que sentia quando os meus pais chegavam a casa...

...mesmo mais tarde (na idade meia aparvalhada que é a adolescência e na qual não é nada cool passar a vida agarrado aos pais), lembro-me perfeitamente do bom que era quando ouvia o barulho da chave a abrir a porta :-)