quinta-feira, 6 de setembro de 2007

All You Need is Love


Adorava que me explicassem por que carga de água as mulheres ficam lamechas a partir do momento em que engravidam. É que não falha: choram por tudo e por nada, emocionam-se com qualquer romance de cordel e, nalguns casos mais agudos, ficam com medo da própria sombra. E o pior é que não passa quando a criança nasce; antes pelo contrário, agrava-se.

No meu caso, confesso que os efeitos foram particularmente devastadores. Hoje em dia, tudo me faz chorar (até anúncios), sou do mais impressionável que há (eu, que adorava filmes de terror, quanto mais assustadores, melhor - lembras-te, amiga mais antiga?) e tenho um medo horrível de andar de carro depressa ("mais devagar", "olha o sinal stop", "travaaaaaaa!"). Eu, que conduzia como um piloto de fórmula 1...

Mas o pior mesmo foi ter-me tornado uma romântica inveterada. Agora, pelo-me por finais felizes, daqueles de fazer chorar as pedras da calçada e acompanhados de sinfonias apoteóticas. Mesmo que sejam forçados, estraguem os filmes e os tornem kitsch. E quando vejo enredos como o da Anatomia de Grey, em que a Meredith e o Dr. Sheperd nunca mais se entendem, fico nervosa. Sim, porque todas as mulheres merecem o seu McDreamy - e ai de quem disser que não!

2 comentários:

docinho disse...

Nem me digas nada... se vejo uma criança doente choro... um animal... choro... filmes, novelas, documentários... CHORO!!!
Às vezes acho que tenho um furo... ou melhor... dois que não páram!!!
E os finais felizes... uiiiii... ADORO... de tal maneira que quando a coisa complica muito e tudo parece perdido... mudo de canal!!! ; )))

Beijos lamechas

PS nas férias estive com uns amigos teus ; ))) e com os filhotes na beach!!!!

rosachok disse...

E agora imagina-te sensível... (vg. lamechas!)... e a tua filha começar a sentir a tensão e dizer “Oh Mãe!” e sorrir (vg. desatar a gozar!)

Beijos com filha crescida

PS Podias... como quem não quer a coisa ;)))... contar ao Joaquim que te sentes assim – trava!... mais devagar!... não te aproximes tanto!... – para ele perceber que não sou a única... sou só mais uma MÃE :D

Mais beijos... agora a rir*